Qualidade de vida e insônia na perimenopausa: meditação como estratégia de intervenção

Fábio Schlechta Portella,$space}Caio
Programa de Pós Graduação em Saúde Pública, Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
março, 2014
 

Resumo

Introdução: A insônia está entre os mais frequentes transtornos que afetam a população na contemporaneidade, devido a mudanças hormonais e psicossociais importantes é muito prevalente na perimenopausa. Há uma relação ainda pouco estudada entre eficiência do sono e prática meditativa. Os tratamentos utilizados para insônia normalmente são de alto custo e paliativos. Objetivo: Avaliar o efeito da meditação na insônia (causada por sintomas característicos da perimenopausa) e qualidade de vida nesta fase da vida. Método: Ensaio clínico controlado para avaliar os efeitos da meditação em mulheres com insônia no período da perimenopausa e o impacto na qualidade de vida em 8 semanas de intervenção. O estudo foi realizado de abril a julho de 2013 com 33 mulheres na perimenopausa de idade entre 40 a 55 anos em 3 unidades de órgão público no município de São Paulo, SP. As participantes foram divididas aleatoriamente em dois grupos, um que praticou somente Higiene do Sono-HS (n=15) e outro que praticou Meditação + Higiene do Sono-M+HS (n=18). Foram realizados encontros semanais com as participantes de ambos os grupos para pratica de meditação em grupo e/ou critérios de higiene do sono. O grupo M+HS também realizou prática diária de meditação. Para avaliar a significância estatística das diferenças de médias antes e depois das intervenções em cada grupo foi utilizado o teste de Wilcoxon. Resultados: Houve melhora da insônia em ambos os grupos, no entanto comparando as diferenças de escore do Índice de Gravidade de Insônia entre os grupos estudados, o grupo M+HS teve um efeito superior em ambas as medições em relação ao grupos HS. No grupo M+HS, houve redução estatisticamente significativa nas categorias do Índice Menopausal de Kupperman: Palpitação, Parestesia e a Pontuação Total já no grupo HS não houve redução significativa em nenhum parâmetro do Índice de Kupperman. Houve melhora significativa da pontuação geral de qualidade de vida aferida pelo WHOQOL breve no grupo M +HS, e no grupo HS houve melhora no domínio relações sociais. Conclusão: Os resultados sugerem que a meditação pode ser ferramenta útil no tratamento da insônia primária durante o período da perimenopausa. A qualidade de vida durante este período também é favorecida de maneira global pela prática diária de meditação.