O cinema no lixo: uma trilogia dos restos da cidade

Jorge H. Wolff

Resumo


O artigo busca relacionar três filmes brasileiros que exploram o mesmo universo, os aterros de lixo das grandes cidades. São eles Ilha das Flores (1989), de Jorge Furtado; Boca de lixo (1992), de Eduardo Coutinho; e Estamira (2004), de Marcos Prado. Com olhares radicalmente distintos sobre a mesma realidade, esta trilogia apresenta ao menos uma característica comum: a indistinção entre documentário e ficção, em nome da oposição maior entre cinema e jornalismo, sugerida por Jean-Louis Comolli.

Palavras-chave


Cinema; Documentário; Ficção; Lixo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v2e2200734-37

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.