No campo das semelhanças deslocadas e das proximidades empáticas

Rosângela Miranda Cherem

Resumo


O ponto de partida deste texto pressupõe um pensamento sobre a fotografia através de pequenos fragmentos concebidos como partes de um políptico. Se, como ensina Barthes, tudo pode ser texto, o que interessa neste caso não é nem o significado e nem a compreensão comparativa e/ou evolutiva que concede ao presente a última palavra, mas uma ênfase ao caráter de inquietação e heterogeneidade, quando uma estrutura ordenadora e classificatória pode ser movimentada e desierarquizada em detrimento da técnica e do registro documental codificados pela importância histórica ou jornalística. Em tempos de expansão inimaginável do arsenal imagético e de telas que prometem revelar incansavelmente os fatos em tempo real, sejam eles íntimos ou de relevância planetária, parece conveniente suspender as certezas sobre a imagem fotográfica para interrogar sua natureza, problematizando como a mesma sobrevive por metamorfoses, constituindo-se e persistindo em sua condição artística.

Palavras-chave


Fotografia; Imagem; Arte contemporânea

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v0e02009193-204

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.