Florencia Garramuño traduz Graciliano Ramos

Jorge H. Wolff

Resumo


O texto abaixo apresenta o ensaio de Florencia Garramuño, que introduz sua própria tradução espanhola de Vidas secas, de Graciliano Ramos, lançada em 2001, e procura contextualizá-lo brevemente no âmbito das trocas culturais entre Argentina e Brasil. Após esta apresentação segue a versão brasileira de "El regionalismo equívoco de Vidas secas", em que a autora propõe uma reavaliação das relações entre os conceitos de modernismo, regionalismo e realismo no âmbito da cultura brasileira da primeira metade do século XX. Diretora do Programa de Cultura Brasileira da Universidad de San Andrés, em Buenos Aires, e autora de Modernidades primitivas. Tango, samba e nação (Editora da UFMG, 2009) e La experiencia opaca (FCE, 2009), Florencia Garramuño traduziu, entre outros, Grande sertão: veredas de Guimarães Rosa (com Gonzalo Aguilar), Em liberdade de Silviano Santiago, e coordenou a versão espanhola de Os sertões, de Euclides da Cunha para a editora Fondo de Cultura Económica.

Palavras-chave


Modernismo; Regionalismo; Realismo; Tradução

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v5e1201085-102

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.