Visagens do rock de Belém. Identidade assombrada e intersubjetividade numa banda amazônica

Fabio Fonseca de Castro, Elielton Alves Amador

Resumo


O artigo discute os processos intersubjetivos presentes na cena musical rockeira de Belém, Pará, nos anos 1990, a partir da trajetória de uma banda, a Norman Bates. Procuramos observar como um ethos narrativo se faz presente no diálogo entre uma música global e os compromissos locais, observando que a idéia de “universal” não é, necessariamente, um contraponto para a idéia de “local” e que esse dialogo é recorrente na contemporaneidade, um espaço no qual as fronteiras culturais são tênues e híbridas, embora não deixem de se afirmar como fronteiras. Utilizamos, nessa discussão, as noções de indecidibilidade e de fantasmagoria, de Derrida. Exploramos os sentidos éticos e estéticos do diálogo cultural, procurando descrever como a produção cultural amazônica participa desse diálogo.

Palavras-chave


Rock. Amazônia. Intersubjetividade. Música

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v12e22017295-304

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.