Corrupção e decadência: atualização da morte no folheto de cordel

Linduarte Pereira Rodrigues

Resumo


Duas inquietações movem a curiosidade humana, o lugar de onde viemos e o lugar para onde iremos. Espera-se saber como foi o princípio (cosmogonia), como as coisas começaram a acontecer; e como será o nosso fim (escatologia), o momento que demarca o último dia da humanidade. Este artigo pretende apresentar o resultado de uma pesquisa que visava demonstrar que o cordel, como escritura medieval na contemporaneidade, narra e discursiviza temas que sempre estão presentes na memória social. Nossa pesquisa constatou que os folhetos atualizam, com bastante recorrência, o tema da morte e do fim dos tempos, conectando sujeitos, épocas e ideologias diferentes na configuração discursiva, que se aproxima a partir de uma base semântica profunda, possibilitando demonstrar quão parecidos são os sujeitos sociais, independentemente da época e da condição social.

Palavras-chave


Corrupção; Decadência; Morte; Fim dos tempos; Folhetos de cordel

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v6e12011269-285

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.