GRUPOS ESTRATÉGICOS NA INDÚSTRIA DE RESSEGUROS BRASILEIRA: UMA VISÃO DE SUA FORMAÇÃO INICIAL

Selma Sotelo Pinheiro, Irene Raguenet Troccoli

Resumo


Esta pesquisa é estudo de caso de abordagem sobre o mercado de resseguros brasileiro, tendo como foco a forma como cinco resseguradoras locais em atuação no Brasil se configuram estrategicamente depois da abertura deste mercado, com o objetivo de investigar sua configuração estratégica em termos de agrupamentos estratégicos. A contribuição teórica  está na surpresa representada pelo fato do IRB, apesar de sua configuração histórica específica é muito diferenciada dos demais players analisados. Como conclusão, as resseguradoras locais com atuação endógena demonstraram formar um grupo estratégico específico, enquanto todas as demais – as com atuação exógena, incluindo o IRB - se constituíram em outro grupo. Tal conclusão indica a importância destacada do público-alvo no que tange às definições estratégicas dos players neste mercado.


Palavras-chave


Resseguro; Agrupamentos estratégicos; Estratégia empresarial.

Texto completo:

PDF/A

Referências


AKTOUF, O. Governança e pensamento estratégico: uma crítica a Michael Porter. Revista de Administração de Empresas - RAE, vol. 42, n. 3, Jul./Set., 2002.

BARNEY, J. Gaining and Sustaining Competitive Advantage. Massachusetts: AddisonWesley Publishing Company, 1996.

BARNEY, J.; HOSKISSON, R. Strategic groups: untested assertions and research proposals. Managerial and Decision Economics, 11, p. 187-198, 1990.

CARNEIRO, J.; CAVALCANTI, M.; SILVA, J. Porter revisitado: análise crítica da tipologia estratégica do mestre. Revista de Administração Contemporânea - RAC, vol. 1, n. 3, set-dez, 1997.

CERTO, S. C.; PETER, J. P.; MARCONDES, R.; CESAR, A. Administração estratégica: planejamento e implantação da estratégia. São Paulo: Prentice Hall, 2010.

COOL, K. Strategic group formation and strategic skills: a longitudinal analysis of the US pharmaceutical industry, 1963-1982. Unpublished doctoral dissertation, Purdue University, 1985.

COOL, K.; SCHENDEL, D. Strategic group formation and performance: the case of the US pharmaceutical industry, 1963-1982. Management Science, v. 33, p. 1102-1124, 1987.

COOL, K.; SCHENDEL, D. Performance differences among strategic group members. Strategic Management Journal, v. 9, n. 3, p. 207-223, 1988.

DESS, G.G.; DAVIS, P.S. Porter’s (1980) Generic Strategies as Determinants of Strategic group membership and Organizational Performance. Academy of Management Journal, v. 27, p. 467-488, 1984.

ELLIOT, M.; WEBB, B.; ANDERSON, H. Princípios de resseguros. Rio de Janeiro: Funsenseg, 2001, v. 6.

FARIA, L. Grupos estratégicos e retornos: um foco alternativo às indústrias. Dissertação de mestrado (Contabilidade). Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), Espírito Santo, 2006.

FIEGENBAUM, A.; THOMAS, H. Industry and Strategic Group Dynamics: Competitive Strategy in the Insurance Industry, 1970-84. Journal of Management Studies, v. 30, n. 1, p. 69- 105, 1993.

GOLDBERG, I. Do monopólio à livre concorrência: a criação do mercado ressegurador brasileiro. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2008.

GORDON, M.; MILNE, G. Selecting the dimensions that define strategic groups: a novel market-driven approach. Journal of Managerial Issues, Summer, v.11, n.2, p. 213, 1999.

HATTEN, K.; HATTEN, M. Strategic groups, asymmetrical mobility barriers and contestability. Strategic Management Journal, v. 8, p. 329-342, 1987.

HUNT , M. Competition in the major home appliance industry, 1960-1970. Unpublished Ph. D. Dissertation, Harvard University, 1972.

LAWLESS, M.; BERGH, D.; WILSTEAD, W. Performance variations amons strategic group members: an examination of individual firm capability. Journal of Management, v. 15, p. 649-661, 1989.

LEITÃO, S.; MACHADO, S. Gestão estratégica e mudança: problemas e possibilidades. RAP, v. 38, n. 6, nov./dez, 2004.

MADSEN, S.; VANCE, C. Unlearned lessons from the past: an insider's view of Enron's downfall. Corporate Governance: The international journal of business in society, v. 9, n. 2, pp. 216 – 227, 2009.

McGEE, J.; THOMAS, H. Strategic Groups: Theory, Research and Taxonomy. Strategic Management Journal, n. 7, p. 141-160, 1986.

MICHEL, M. H. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais. 2 ed, São Paulo: Atlas, 2009.

MURRAY, A. A Contingency View of Porter's “Generic Strategies”. Academy of Management Review, v. 13, n. 3, pp. 390-400, 1988.

OLIVEIRA, J. Análise da regulamentação do novo mercado ressegurador brasileiro e das propostas de alteração normativa apresentadas pela sociedade civil internacional. 2010. Dissertação de Mestrado em Direito Internacional - Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2010.

OSTER, S. Modern Competitive Analysis. New York: Oxford University Press, 2 Ed.,1994.

PAIVA Jr., F.; LEÃO, A.; MELLO, S. Validade e Confiabilidade na Pesquisa Qualitativa em Administração. Revista de Ciências da Administração, v. 13, n. 31, p. 190-209, 2011.

PEREIRA, M.; KICH, J. I. D. F. A relação entre a cultura organizacional e o processo de planejamento estratégico: um estudo de caso em uma empresa norte-americana. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 8, n. 2, pp. 58-79, 2009.

PORTER, M. How competitive forces shape strategy. Harvard Business Review, v. 57, n. 2, p. 137-145, mar./abr. 1979.

PORTER, M. Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors. New York: The Free Press, 1980.

PORTER, M. The contributions of industrial organization to strategic management. Academy of Management Review, v. 6, n. 4, p. 609-620, 1981.

PORTER, M. E. Vantagem Competitiva, Rio Janeiro: Campus, 1989.

PORTER, M. The competitive advantage of nations. New York: The Free Press, 1990.

PORTER, M. Towards a dynamic theory of strategy. Strategic Management Journal, v. 12, p. 95-117, 1991.

PORTER, M. What is strategy. Harvard Business Review, v. 74, n. 6, p. 61-78, nov./dez., 1996.

RANDALL, D. Exploring and learning from the future: five steps for avoiding strategic surprises. Strategy & Leadership, v. 37, n. 2, pp.27 – 31, 2009.

REACTIONS MAGAZINE. Mercado brasileiro de (re)seguros: perspectivas e oportunidades. London: Reactions, pp.34-35, jun. 2008.

SCHNEIDER, A.; CARNEIRO, M.; SERRA, F.; FERREIRA, M. Estratégia competitiva: Michael Porter 30 anos depois. Revista de Administração da UFSM, v. 2, n. 2, 2009.

SILVA, S. Cultura organizacional e postura estratégica da empresa. Revista Gerenciais, v. 3, n. 1, pp. 63-77, 2004.

SOUZA, E. M.; BATISTA, P. C. S.; SANTIAGO, A.G.; CHAVES, B. L.; PINTO, F. R.; Antecedentes estratégicos e modelo de negócios: uma proposta integrada de análise para o desempenho de e-business. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 8, n. 2, p. 26 – 53, jan./abr. 2015.

SPEED, R. Oh Mr Porter! A Re‐Appraisal of Competitive Strategy. Marketing Intelligence & Planning, v. 7, n. 5/6, pp.8 – 11, 1989.

STONEHOUSE, G.; SNOWDON, B. Competitive Advantage Revisited: Michael Porter on Strategy and Competitiveness. Journal of Management Inquiry, v. 16, n. 25, 2007.

SWISS RE. O resseguro dos ramos elementares. E. Ed., Zurique: Swiss Reinsurance Company, 1997.

THOMAS, H.; VENKATRAMAN, N. Research on strategic groups: progress and prognosis. Journal of Management Studies, v. 25, p. 537-555, 1988.

WRIGHT, P. A refinement of Porter's strategies. Strategic Management Journal, V.8, N. 1, p.93–101, Jan./Fev. 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.19177/reen.v9e1201626-57

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


R. eletr. estrat. neg.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1984-3372

Licença Creative Commons


REEN is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported .