CARACTERÍSTICAS DO CONSUMO DE BELEZA NA BASE DA PIRÂMIDE: ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PARTICIPANTES DO MERCADO

Fernando Filardi, José Luiz Trinta, Bruna Carvalho

Resumo


Este artigo busca analisar o consumo de dermocosméticos pelas consumidoras da base da pirâmide, através de um estudo exploratório qualitativo que investigou as percepções dos dermatologistas, consumidoras e representantes da indústria. A coleta de dados ocorreu através de entrevistas seguidas de análise de conteúdo, e os resultados demonstram o crescimento desse consumo, evidenciando que a beleza promove a realização social e facilita a ascensão profissional, mostrando uma predisposição das mulheres ao consumo de dermocosméticos. Porém, a percepção é de que as empresas precisam criar formas de alavancar este consumo, aproximando-se do dermatologista, divulgando intensamente os dermocosméticos, adequando preços e produção local.


Palavras-chave


Base da Pirâmide; Marketing; Consumo; Beleza.

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGOSTINI, R.; MEYER, C. A nova classe média cai na rede. Revista Exame.com, ed. 978, 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2013.

ALMEIDA, I. Nova classe média… Será nova? Revista da ESPM, v.18, n.4, p.100-108, 2011.

Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos – Abihpec, 2014. Caderno de Tendências 2014/2015. Disponível em: . Acesso em: 07 out 2014.

BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARROS, J. A. C. Estratégias mercadológicas da indústria farmacêutica e o consumo de medicamentos. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v.17, p.377-386, 1983.

BARROS, C. A. “Invisibilidade” do mercado de baixa renda nas pesquisas de marketing. Anais do Enanpad. Rio de Janeiro: ANPAD, 2006.

BARROS, C.; ROCHA, E. Dimensões culturais do marketing: teoria antropológica, etnografia e comportamento do consumidor. Revista de Administração de Empresas, v.46, n.4, p.36-47, 2006. Disponível em: < http://rae.fgv.br/rae>. Acesso em: 10 out 2014.

BARROS, C; ROCHA, E. Lógica de consumo em um grupo das camadas populares: uma visão antropológica de significados culturais. In: ROCHA, A; SILVA, J. (Orgs). Consumo na base da pirâmide: estudos brasileiros. Rio de Janeiro: Mauad X, 2009, 255 p.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 2008.

BELK, R. W. Possessions and the extended self. Journal of consumer research, v.15, p.139-168, 1988.

BORGES, F. Quem gosta de pobreza é intelectual. Revista da ESPM. São Paulo, ed. Aquarela, v. 18, n. 4, p. 34-41, 2011.

CAMPBELL, C. Eu compro, logo sei que existo: as bases metafísicas do consumo moderno. In: BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

CASTRO, G. Comunicação, consumo e a nova classe média brasileira no universo digital. Revista da ESPM. São Paulo, Ed. Aquarela, v.18, n. 4, p. 75-79, 2011. Disponível em: < http://revistadaespm.espm.br/ >. Acesso em: 10 out 2014

CPS/FGV. Os Emergentes dos Emergentes: Reflexões Globais e Ações Locais para a nova classe média Brasileira. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 mai. 2013a. Acesso em: 01 nov. 2014.

CPS/FGV. PME_CLASSEMEDIA. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2013b.

DAVIDSON, K. Ethical concerns at the bottom of the pyramid: where CSR meets BOP. Journal of International Business Ethics, v. 2, n. 1, p.22-32, 2009.

DRAELOS, Z. D. Cosmecêuticos. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

ECO, U. História da beleza. Rio de Janeiro-São Paulo: Record, 2004.

GENDLER, E. C. Cosmecêuticos e a Prática da Dermatologia In: DRAELOS, Z. D., Cosmecêuticos, 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2013. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2014.

IMS Health. Dados internos fornecidos por uma multinacional da indústria de beleza, 2012.

KARNANI, A. The Mirage of Marketing to the Bottom of the Pyramid: How the private sector can help alleviate poverty? California Management Review, v.49, nº.4, p.90-111, Summer, 2007.

KLIGMAN, M. A. Cosmeceuticals as a third category. Cosmetics and Toiletries 13:33, 1998.

LIPOVETSKY, G. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades contemporâneas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

LIVRAMENTO, M. N.; HOR-MEYLL, L. F.; PESSOA, L. A. Valores que motivam mulheres de baixa renda a comprar produtos de beleza. Revista de Administração da Mackenzie. São Paulo, v. 14, n. 1, fev, 2013.

LÜBECK, Rafael M.; FALLAVENA, Lucia H. A.; SANTINI, Fernando de O., SAMPAIO Cláudio H. Diga-Me no que andas e te Direi quem és: Aspectos de Influência nos Jovens da Classe C Brasileira para Adquirir Automóveis. Revista Brasileira de Marketing – ReMark. Vol.13, nº 3. Abril/Junho, 2014.

MACHADO, L. De repente, nova classe média. Folha de São Paulo, 15 jul. 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2013.

MACHADO, M. do V.; PEREIRA, S. J. N. Espelho Meu, Quem Sou Eu? Consumo Estético e a Construção da Identidade da Mulher. In: Anais do IV Encontro de Marketing da Anpad – Ema, 4, 2010, Florianópolis. ANPAD, 2010.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. São Paulo: Bookman, 3ª Ed., 2001.

MCCRACKEN, G. Cultura & Consumo. In: Coleção Cultura e Consumo, Everardo Rocha, Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

MCCRACKEN, G. Cultura e Consumo: uma explicação teórica da estrutura e do movimento do significado cultural dos bens de consumo. Revista de Administração de Empresas, v. 47, n. 1, jan-mar., 2007.

MERTON, R. K.; FISKE, M.; KENDALL, P. L. The focused interview: a manual of problems and procedures. 2.ed. New York: The Free Press, 1990.

MESSEDER, C.; REIS, P. A nova classe média irá ao Paraíso? Revista da ESPM, v. 18, n. 4, p. 48-59., 2011. Disponível em: < http://revistadaespm.espm.br/ >. Acesso em: 10 out 2014.

MORELLI, D.; KOENIGSBERG, M. R. Sample medication dispensing in a residency practice. Journal of Family Practice, v. 34, n. 1, p.42-48, 1992.

NERI, Marcelo. A nova classe média: o lado brilhante da base da pirâmide. São Paulo: Saraiva, 2011.

PRAHALAD, C. K. The fortune at the bottom of the pyramid. Eradicating poverty Through Profits. Pearson Education, Inc., Wharton School Publishing, 2004.

PRAHALAD, C. K.; HAMMOND, A. Serving the world’s poor, profitably. Harvard Business Review, v. 80, n. 9, p.48-57, 2002.

PRAHALAD, C. K.; HART, S. L. The fortune at the bottom of the pyramid. Journal of Strategy + Business, n. 26, p.1-14, 2002.

ROCHA, E. Culpa e prazer: imagens do consumo na cultura de massa. Comunicação, mídia e consumo. Local: editora, v. 2, n. 3, p. 123-138, 2005.

ROGERS, E. M. Diffusion of innovations. 5ª ed. New York: Free Press, 2003.

STUCKEY, D. O mercado dos cosmecêuticos. In: DRAELOS, Z. D., Cosmecêuticos, 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

VEBLEN, T. A teoria da classe ociosa. São Paulo: Pioneira, 1965.

VENKATARAMAN, S.; STREMERSCH, S. The debate on influencing doctors’ decisions: are drug characteristics the missing link? Management Science, v.53, n.11, p.1688-1701, 2007.

VERGARA, C. S. Métodos de Pesquisa em Administração. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

VICENTE, E. Não é porque de repente sou da Classe C que compro uma bolsa de 300 reais! Consumoteca. Rio de Janeiro, 19 out. 2012a. Disponível em: . Acesso em: 25 mai. 2013.

VICENTE, E. A heterogênea “nova classe média”. Consumoteca. Rio de Janeiro, 23 jul. 2012b. Disponível em: . Acesso em: 27 mai. 2013.

WILCOX, M.; MOREIRA, L.; ROCHA, E. Hedonismo e moralismo: consumo na base da pirâmide. Revista de Administração de Empresas, v.53, Issue 2, p.199-207, 2013. Disponível em: < http://rae.fgv.br/rae>. Acesso em: 20 out 2014




DOI: http://dx.doi.org/10.19177/reen.v8e22015123-153

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


R. eletr. estrat. neg.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1984-3372

Licença Creative Commons


REEN is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported .