A Inovação como fator de Diferenciação no Segmento e-Marketplace

Eros Augusto Asturiano Martins, Moises Ari Zilber

Resumo


Este estudo buscou verificar se a inovação pode levar a uma vantagem competitiva por meio de um estudo bibliográfico e pesquisa qualitativa com empresas de e-marketplace. Buscou também uma definição sobre ­e-marketplace, um novo segmento de negócio que ainda não possui muitos estudos. A pesquisa foi feita com sete empresas e os resultados apresentados demonstram que a inovação é fonte de diferenciação em tecnologia e desenvolvimento de produtos. Também foi uma contribuição deste trabalho verificar que a inovação faz parte da cultura dos e-marketplaces analisados e que existe uma ligação entre inovação e vantagem competitiva no segmento pesquisado.


Palavras-chave


Inovação; Diferenciação; Vantagem Competitiva; e-Commerce; e-Marketplace

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALSTYNE, Marshall W. V.; PARKER, Geoffrey G.; CHOUDARY, Sangeet P. Pipelines, plataformas e novas regras de estratégia. Harvard Business Review, v.94, n.4, p. 32-40, Abril de 2016.

AMIT, Raphael; SCHOEMAKER, Paul JH. Strategic assets and organizational rent. Strategic management journal, v. 14, n. 1, p. 33-46, 1993.

ANSOFF, H. Igor. Corporate strategy: An analytic approach to business policy for growth and expansion. McGraw-Hill Companies, 1965.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BARNEY, Jay B.; HESTERLY, William S. Administração estratégica e vantagem competitiva. Pearson Prentice Hall, 2008.

BARNEY, Jay. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BARROS, Aidin de J. P.; LEHFELD, Neide A. de S.. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas. Petrópolis: Vozes, 2003.

BENEVIDES, Gustavo; OLIVEIRA, Erick C.; MENDES, Rodrigo O. B.. A utilização do modelo de inovação aberta como ferramenta competitiva um APLs. Revista Alcance, v. 23, n. 1, p. 004-018, 2016.

BOGERS, Marcel; AFUAH, Allan; BASTIAN, Bettina. Users as innovators: a review, critique, and future research directions. Journal of management, 2010.

CAMPOS, Rafael et al. Marketplace, a salvação da lucratividade do e-Commerce. Relatório da VTEX e BR Partners. São Paulo: 2015.

CAREGNATO, Rita Catalina Aquino; MUTTI, Regina. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto contexto enferm, v. 15, n. 4, p. 679-84, 2006.

CARNETI, Karen. Brasil é o país que mais cresce no Mercado Livre na América Latina, 2015. Disponível em . Acesso em 14 de outubro de 2016.

CHANNEL ADVISOR. October 2016 ChannelAdvisor Same Store Sales (SSS), 2016. . Acesso em 10 de novembro de 2016.

CHESBROUGH, Henry William. Inovação aberta: como criar e lucrar com a tecnologia. Porto Alegre: Bookman, 2012.

CHESBROUGH, Henry William. Modelos de Negócios Abertos: Como prospectar no novo cenário da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2012b.

CONSONI, Diogo José, et al. A inovação como vantagem competitiva no setor automobilístico. Jovens Pesquisadores-Mackenzie, v. 3, n. 1, 2010.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. In: Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. Artmed, 2010.

DE CARVALHO, Gustavo Dambiski Gomes, et al. Radar da inovação como ferramenta para o alcance de vantagem competitiva para micro e pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação (RAI), v. 12, n. 4, p. 162, 2015.

DE DADOS SOBRE INOVAÇÃO 1997, 184 p; produção ARTI /FINEP, tradução de Flávia Gouveia - 3.ed, 2005. Bibliografia: p. 149-151, ISBN 92-64-01308-3.

DE OSLO, Manual. Manual de Oslo, 2005. Disponível em . Acesso em 05 de outubro de 2016.

DOUGHERTY, Deborah. Understanding new markets for new products. Strategic management journal, v. 11, n. 1, p. 59-78, 1990.

DRUCKER, Peter F. Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Thomsom, 2001.

E-BIT. Relatório Webshoppers 35ª edição - 2017. Disponível em http://www.ebit.com.br/webshoppers. Acesso em 12 de janeiro de 2016.

FAORO, Roberta Rodrigues et al. Diferenciação e Foco para obtenção de Vantagem Competitiva: O Caso da Beta Sistemas. Revista Eletrônica de Administração, v. 20, n. 3, p. 838-856, 2014.

FORSMAN, Helena. Innovation capacity and innovation development in small enterprises. A comparison between the manufacturing and service sectors. Research Policy, v. 40, n. 5, p. 739-750, 2011.

GOMES, Clandia M. et al. Indicadores e características da gestão de fontes externas de informação tecnológica e do desempenho inovador de empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea (RAC), v. 13, n. 2, p. 172-188, 2009.

GRANT, R. M. Contemporary Strategy Analysis: Concepts, Techniques, Applications. Oxford: Blackwell Publishers Ltd, v. 16, p. 17, 2008.

Information Society, vol. 13, no. 1, pp. 1-15.

KIM, C.; MAUBORGNE, Renée. A Estratégia do Oceano Azul–Como: criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante. Rio de Janeiro. 2005.

LEVINE, D. M.; et al. Estatística: teoria e aplicações. 5. ed. Rio de Janeiro: TLC, 2008.

MACEDO, Maria Teresa Ferreira Cordovil de et al. Inovação aberta: um estudo sobre a inovação aberta na literatura internacional e nacional. 2012.

MACHADO, Denise del Prá Netto. Inovação e cultura organizacional: um estudo dos elementos culturais que fazem parte de um ambiente inovador. 2004. Tese de Doutorado.

MATTAR, Fauze et al. Pesquisa de Marketing, 7ª Edição. Elsevier Brasil, 2014.

MCGRATH, Rita. O Fim da Vantagem Competitiva: Um Novo Modelo De Competição Para Mercados Dinâmicos. Elsevier Brasil, 2014.

MONTGOMERY, Cynthia A. et al. Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, p. 419-440, 1998.

MOZZATO, Anelise Rebelato; GRZYBOVSKI, Denize. Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 4, p. 731-747, 2011.

PENROSE, Edith T. The theory of the growth ofthe firm. New York: Sharpe, 1959.

PITASSI, Claudio. Inovação aberta na perspectiva das empresas brasileiras de base tecnológica: proposta de articulação conceitual. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 3, p. 77-102, 2012.

POGRÉ, P.; LOMBARDI, G. O ensino para a compreensão. Vila Velha: Hoper, p. 23, 2006.

PORTER, Michael E.. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. (E. M. P. Braga, Trad.). Rio de Janeiro: Campus, 1989.

PRAHALAD, Coimbatore K.; HAMEL, Gary. The core competence of the corporation. 1990.

ROBERTSON, Thomas S. Em prol da revitalização. FINANCIAL times: dominando administração. São Paulo: Makron, p. 193-199, 1999.

ROPER, S.; ARVANITIZ, S. From knowledge to added value: A comparative, panel-data analysis of the innovation value chain in Irish and Swiss manufacturing firms. Research Policy, 2012.

SCHUMPETER, J. A. Business cycles, v. I. New York: McGraw Hill Books, 1939.

SILVA, Glessia; DACORSO, Antonio L. R.. Inovação aberta como uma vantagem competitiva para a micro e pequena empresa. DOI: 10.5773/rai. v10i3. 1036. RAI: revista de administração e inovação, v. 10, n. 3, p. 251-268, 2013.

SOARES, Leandro. O E-marketplace e sua importância para o comércio atual, 2013. Disponível em . Acesso em 06 de outubro de 2016.

SZETO, Elson. Innovation capacity: working towards a mechanism for improving innovation within an inter-organizational network. The TQM Magazine, v. 12, n. 2, p. 149-158, 2000.

TELLES, Renato. A efetividade da “matriz de amarração” de Mazzon nas pesquisas em Administração. RAUSP: Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 36, n. 4, p. 64-72, 2001.

TIDD, J. et al. Managing innovation: integration technological, market and organizational change. 3rd. Ed. John Willey & Sons, Ltd., 2005.

TIDD, Joe; BESSANT, John. Gestão da Inovação – 5.ed. Porto Alegre: Bookman Editora, 2015.TIRONI, Luís F.; CRUZ, Bruno de O. Inovação incremental ou radical: há motivos para diferenciar? Uma abordagem com dados da PINTEC. 2008.

TRENTINI, Anny Margaly Maciel, et al. Inovação aberta e inovação distribuída, modelos diferentes de inovação? Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 5, n. 1, p. 88-109, 2012.

VIANNA, Maurício, et al. Como as empresas brasileiras inovam na prática. Harvard Business Review, v.94, n.4, p. 51-57, Abril de 2016.

WE ARE SOCIAL. Digital, Social & Mobile Worldwide in 2015. Disponível em . Acesso em 10 de outubro de 2016.

Wigand, R. T. (1997). Electronic commerce: Definition, theory, and context. The

WINTER, S. Knowledge and competence as strategic assets. The strategic management of intellectual capital, v. 187, 1998.

WOERTER, Martin; ROPER, Stephen. Openness and innovation—Home and export demand effects on manufacturing innovation: Panel data evidence for Ireland and Switzerland. Research Policy, v. 39, n. 1, p. 155-164, 2010.

ZHU, Feng; FURR, Nathan. Saltando de produtos para plataformas. Harvard Business Review, v.94, n.4, p. 51-57, Abril de 2016.

ZILBER, Moises Ari, et al. A inovação e os fatores organizacionais característicos. Revista de Ciências da Administração, v. 10, n. 21, p. 76, 2008.

ZILBER, Moisés Ari; PEREZ, Gilberto; LEX, Sérgio. Inovação tecnológica e obtenção de vantagens competitivas: um estudo duplo qualitativo na indústria brasileira de equipamentos eletro-médicos. Organizações & Sociedade, v. 16, n. 51, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.19177/reen.v11e320183-28

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


R. eletr. estrat. neg.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1984-3372

Licença Creative Commons


REEN is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported .