ESTRATÉGIAS E PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS EM PROCESSOS FLEXOGRÁFICOS

Milton Luiz Wittmann, Fernando Batista Bandeira da Fontoura, Luis Carlos Alves da Silva, Mariane Beatriz Wittmann

Resumo


Este presente estudo tem por objetivo identificar estratégias de sustentabilidade socioambientais em processos de impressão flexográfica de etiquetas. A pesquisa consistiu-se em uma revisão bibliográfica, seguida por um estudo exploratório-descritivo de natureza qualitativa, com coleta de dados por questionário semiestruturado e descrições de ações socioambientais desenvolvidas por uma empresa, além do acesso a informações e documentos. À guisa de uma conclusão, o artigo faz uma análise dos parâmetros conceituais de práticas socioambientais e a identificação de práticas de sustentabilidade da empresa.


Palavras-chave


Estratégias; Sustentabilidade; Gestão ambiental; Práticas sustentáveis; Flexografia.

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGUIAR, R. A. R. Meio ambiente e participação popular. Brasília: Ministério da Meio Ambiente e da Amazônia Legal/IBAMA, 1999.

ALMEIDA, Jalcione. A problemática do desenvolvimento sustentável. In.: BECKER, Dinizar Ferminiano (Org.). Desenvolvimento sustentável: necessidades e/ou possibilidades. 4.ed. Santa Cruz: EDUNISC, 2002.

AMBROSE, G. HARRIS, P. Fundamentos do design criativo. Porto Alegre: Bookman, 2009.

AMORIM, A. S.; ARAÚJO, M. F. F; CÂNDIDO, G. A. Uso do barômetro da sustentabilidade para avaliação de um município localizado em região Semiárida do Nordeste Brasileiro. Desenvolvimento em Questão, n.12, (25), jan./mar., p. 189-2. 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRUNDTLAND, Gro et al. Our common future ('Brundtland report'). 1987.

CAVALCANTI, Clovis (org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2001.

COSTA, E. A. da. Gestão estratégica: da empresa que temos a empresa que queremos. São Paulo: Saraiva, 2007, p. 15-16.

CRUZ, C. C. A importância do design na embalagem. Cobi Design. 2011.

ELKINGTON, JOHN. Cannibals wiith forks: the triple bottom line of twenty-first centrury busines. Capstone: Oxford, 1998.

ELKINGTON, J. Towards the sustainable corporation: win-win-win businesses strategies for sustainable development. California Management Review, v. 36, n. 3, p. 90-100, 1994.

FONTOURA B.B. Fernando; WITTMANN, M.L. Organizações e desenvolvimento: reflexões epistemológicas. Revista do CEPE. Santa Cruz do Sul, n. 43, p.101-118, jan./jun. 2016.

FIDELMAN, P. et al. Governing large-scale marine commons: contextual challenges in the Coral Triangle. Marine Policy, v. 36, n. 1, p. 42-53, 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Ed. Atlas, 1991.

GOMES, A. N. Sustentabilidade de empresas de base florestal: o papel dos projetos sociais na inclusão das comunidades locais. Rev. Árvore. Viçosa v.30 n.6. Dec. 2006. Disponível em: . Acesso em: 26 de Aabril. de 2011.

HART, S. L.; MILSTEIN, M. B. Creating sustainable value. Academy of Management Executive, v. 17, n. 2, pp. 56-67, 2003.

JACOBI, Pedro Roberto. Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa. Ag./, ago. 2005, v.31, n.2, p. 233-250.

LAMÓGLIA, Luciane Botto e SERMANN, Lucia Izabel Czerwonka. A importância do pensamento sustentável nas organizações. Seminário sobre sustentabilidade 3 (2008).

LEAL, C. E. A era das organizações sustentáveis. Revista Eletrônica Novo Enfoque, v. 8, n. 8, p. 1-11, 2009.

Lima, Ana. Consumo e sustentabilidade: em busca de novos paradigmas numa sociedade pós-industrial. Fortaleza, 2010.

LIMA E SILVA, 2000. Disponível em: . Acesso em: mar. /2010.

MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

MESTRINER, F. Design de embalagem: curso avançado. 2ª ed. Pearson. São Paulo –, SP, 2011.

MILARÉ, E. Direito do ambiente. 4.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

MORGAN, Gareth. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

NEGRÃO, C. CAMARGO, E. Design de embalagem: do marketing à produção. Novatec. São Paulo – SP, 2008. 336p.

POPAI – THE GLOBAL ASSOCIATION FOR MARKETING AT RETAIL. Estatísticas – 2004. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2013.

RAMOS, A. Guerreiro. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1989.

SANTOS, L.G. Politizar as novas tecnologias. São Paulo: Ed.34, 2003.

SOUZA, N.J de. Desenvolvimento econômico. 4.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SOUSA, Richard R. Perassi P. Luiz L. de. A visualidade das marcas institucionais e comerciais como campo de significação. Tese de doutorado. São Paulo: PUC, 2001.

TACHIZAWA, T. Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa - estratégia de negócios enfocada na realidade brasileira. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2011.

TENÓRIO, Guilherme G. Fernando. Tecnologia da informação: transformando as organizações e o trabalho. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

TOFFLER, Alvin. “Powershift”, as mudanças de poder: um perfil da sociedade do século XXI pela análise das transformações e natureza do poder. Rio de Janeiro: Record, 1995.

VEIGA, José. Eli E. da. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de janeiro: Garamond, 2005.

VILLAS-BOAS, André. Produção gráfica para designers. Rio de Janeiro: 2AB, 2008.

ZUKOWSKI. K. Linguagem visual e cultura de consumo no design de embalagens. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Design.). Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo – , SP, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.19177/reen.v10e22017181-200

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


R. eletr. estrat. neg.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1984-3372

Licença Creative Commons


REEN is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported .