Revistas para mulheres no século 21: ainda uma prática discursiva de consolidação ou de renovação de idéias?

Viviane M. Heberle

Resumo


Revistas femininas (RFs), como sistemas semióticos multimodais compostos de diversos gêneros textuais, incorporam dualidades e/ou contradições que são interdiscursivamente amalgamadas e servem como guias para a resolução de problemas femininos. Neste trabalho, com fundamentação teórica da análise crítica do discurso, da lingüística sistêmico-funcional e de pesquisas diversas sobre RFs, apresento estudos recentes de RFs em diversos países. A seguir, discuto questões de fazeres e saberes globais e locais nas RFs, e efetuo uma breve análise textual e multimodal de dois artigos de dois países diferentes sobre a modelo brasileira Gisele Bündchen, que é multimodalmente representada no circuito internacional capitalista como um símbolo de feminilidade na sociedade contemporânea.

Palavras-chave


Revistas femininas; Análise critica do discurso; Multimodalidade

Texto completo:

PDF


Ling. disc. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1982-4017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.