DE SÓLIDAS PARA LÍQUIDAS, DE LÍQUIDAS PARA SÓLIDAS: AS CONCEPÇÕES DE PROFESSORES DE HISTÓRIA SOBRE OS PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO DAS IDENTIDADES NEGRAS

José Bonifácio Alves da Silva, José Licínio Backes

Resumo


O artigo faz uma análise das concepções de docentes de História da escolarização básica acerca das identidades negras. A perspectiva utilizada foi inspirada em Bauman (2001; 2007) e na vertente pós-estruturalista dos estudos culturais e pós-coloniais. A análise baseou-se na interpretação de entrevistas com oito docentes de História atuantes em escolas públicas e privadas da cidade de Campo Grande/MS. Percebemos nessa leitura que as identidades negras, apesar de escaparem das identificações dos professores e irem além, são também provisoriamente solidificadas para fixação de sentidos, indispensáveis para posicionamento político e sociocultural. Os entrevistados também veem as dinâmicas complexas e constantes das diferenciações que tornam as identidades negras líquidas, apesar de seu empenho em identificá-las e defini-las.


Palavras-chave


Docentes de História, identidades negras, concepções, identidades sólidas/líquidas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v8e142014496-514

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED