A INVISIBILIDADE DO NEGRO NA HISTÓRIA DO CEARÁ E OS DESAFIOS DA LEI 10.639/2003

Janote Pires Marques

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar o protagonismo do negro no processo abolicionista cearense e na busca por liberdade, a partir do aspecto cultural, mais especificamente, das Irmandades do Rosário. Na segunda metade do século XIX, a província/estado do Ceará passava por grandes transformações políticas e sociais, como as campanhas abolicionistas, a romanização da Igreja Católica, a ideia de progresso adotada por boa parte da intelectualidade cearense. Ao mesmo tempo, as práticas culturais negras sofreram cerceamentos e foram tidas como costumes “atrasados” e pouco condizentes com uma nova moral que negava ao negro ser sujeito da história. Apesar de tudo, a presença do negro no Ceará é marcada por manifestações culturais que resistiram e persistem até hoje (congos, candomblés, maracatus), constantemente reelaboradas, mas mantendo uma herança ancestral africana que contribui para conformar a experiência e a história do negro no Ceará.

Palavras-chave


Negro na História do Ceará; Abolicionismo; Irmandades do Rosário.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v7e122013347-366

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED