INTELECTUAIS E REVOLUÇÃO CULTURAL NO PENSAMENTO DE ANTONIO GRAMSCI

Letícia Carneiro Aguiar

Resumo


O artigo tem o objetivo de apresentar uma das questões centrais colocadas por Antonio Gramsci (1891-1937) na constituição de um processo de revolução cultural: o papel dos intelectuais. Ao expor suas idéias, Gramsci não deixa dúvidas sobre a correspondência existente entre a função social do trabalho dos intelectuais e a relação com a tarefa específica que desempenham na transformação ou reprodução da sociedade. Essa correspondência mostra que os intelectuais estão ligados às questões de classe, cultura e política, portanto comprometidos com uma visão específica do mundo que determina a natureza política do seu trabalho. A compreensão dessa questão é fundamental, haja vista o contexto atual no qual se faz hegemônico o projeto burguês de uma nova sociabilidade para o capital, que vem implementando também no Brasil reformas que objetivam à adequação da educação às exigências da ordem global, e onde se inserem políticas de formação de professores da Educação Básica que contribuem para um efetivo processo de desintelectualização do professor.

Palavras-chave


Intelectual Orgânico; Educação e Transformação Social; Cultura e Revolução; Educação e Luta de Classes.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v7e122013430-444

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED