TRAJETÓRIAS DE VIDA DE JOVENS NEGRAS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA NO CONTEXTO DAS AÇÕES AFIRMATIVAS

Wivian Weller, Maria Auxiliadora Gonçalves de Holanda

Resumo


O presente artigo analisa trajetórias biográficas de jovens negras que ingressaram pelo sistema de cotas na Universidade de Brasília, bem como suas experiências relacionadas à discriminação de gênero e étnico-racial, preconceito, estereótipos e formas de enfrentamento. A partir de entrevistas narrativas realizadas com estudantes dos cursos de Direito e Pedagogia, foi possível verificar que a família, a escola e a universidade produzem e reproduzem o racismo construído ao longo da história. Diante disso, algumas jovens reagem com apatia, no entanto, outras são combativas. O ingresso na universidade ao mesmo tempo em que ampliou as perspectivas com relação ao futuro profissional, também revelou situações de racismo existentes na instituição. O presente estudo oferece subsídios para a discussão sobre a implantação das políticas de cotas no Brasil, às quais vêm se configurando como possibilidade de reparo histórico das desigualdades.


Palavras-chave


Gênero; Raça/Etnia; Juventude; Ações Afirmativas; Cotas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v8e13201457-80

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED