OS MODOS DA TRANSEXUALIDADE: ENTRELAÇAMENTOS DE GÊNERO E ORIENTAÇÃO SEXUAL

Tânia Mara Cruz, Tiago Zeferino dos Santos

Resumo


Este trabalho tem por objetivo analisar o processo de construção das identidades de gênero e orientação sexual de duas professoras[1] autodefinidas transexuais[2].  Para tanto realizou-se uma pesquisa qualitativa por meio de uma densa entrevista com roteiro semiestruturado. Em sínteses próprias, as entrevistadas explicitaram, em seus significados da transexualidade, semelhanças e diferenças entre si, em um processo de construção a partir: das referências presentes na mídia (televisão ou cinema); das experiências com a medicina e psicologia; e da participação nos movimentos sociais. Se o processo de reflexão identitária parece ser mutável, contínuo e inacabado, o que tem sido uma constante é o papel heteronormativo dos ambientes escolares, com todas as armadilhas nele presentes; tal contexto torna a continuidade dos estudos uma luta cotidiana a ser travada pelos sujeitos transexuais.

[1] Este artigo é recorte de uma pesquisa sobre Transexualidade e Escola produzida na Iniciação Científica em 2010 (graduação em História) e que segue na Pós-Graduação (Mestrado em Educação) com a temática sobre as representações de alunos/as a respeito da transexualidade entre professoras, sob a orientação da Profa. Dra. Tânia Mara Cruz.

[2] Optamos pela autodefinição, respeitando os sujeitos de pesquisa e considerando os diferentes modos de transexualidade; conforme solicitação o nome de Gabriela é seu nome social e foi autorizada a divulgação, e o nome de Jéssica é fictício.


Palavras-chave


Transexualidade; Gênero; Orientação Sexual.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v8e132014141-155

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED