A DOCÊNCIA COMO ESPAÇO DE REINVENÇÃO DO CORPO MASCULINO: resistência e subjetivação

Rogério Machado Rosa

Resumo


Essa escritura se configura como um desdobramento da na minha pesquisa de mestrado, que investigou o modo como professores de Ensino Médio que experenciam a “insubmissão à masculinidade hegemônica” e constroem seus corpos e suas masculinidades na relação com a atividade docente. Analiso excertos das narrativas dos professores, obtidas por meio de entrevistas, e discutir o complexo imbricamento entre as relações afetivas da/na docência, o corpo docente e suas masculinidades e a artistagem de si. Para tal análise, dialogo principalmente, com autores como Michel Foucault, Gilles Deleuze e Nietzsche. O corpo desses professores aqui é compreendido como plano de inscrição e veículo das forças afctivas e vibratórias que por ele passam e que os coloca em movimento de desterritorializações e reterritorialização: forças-fluxos que vibram corporalmente e possibilitam outras subjetivações, bem como engendram variações em suas performatividades de gênero.


Palavras-chave


Corpo. Docência. Masculinidades. Subjetivação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v8e142014453-467

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED