LEITURAS DA INFÂNCIA: DA MÍMESIS A INDÚSTRIA CULTURAL

Vilmar Alves Pereira, Jacqueline Carrilho Eichenberger, Vanessa Alves Vargas

Resumo


Com a crise dos fundamentos que deram sustentação à racionalidade moderna, aquelas instituições pensadas no bojo da modernidade também passam a ser revisitadas, no sentido de ampliarmos a compreensão sobre os significados que assumem diferentes contextos. Esse é o caso da infância. Desse modo, este texto discute dois conceitos que contribuem para o alargamento de sentido da infância e da suposta crise, anunciada desde várias décadas pelos estudiosos da infância. Por meio das leituras de Benjamin, Adorno e Horkheimer, apresentamos os potenciais da memória e as possíveis influências da chamada indústria cultural no cotidiano de crianças, alterando, de forma significativa, suas vivências de infância ao demonstrar que a relação entre memória e indústria cultural é mais próxima que pensamos. 

Palavras-chave


Infância; Mímesis; Indústria Cultural.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v9e152015207-221

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED