A PRÁTICA PSICOPEDAGÓGICA EM ABRIGOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Elisandra Silveira Raupp, Aline Accorssi

Resumo


Os procedimentos para o atendimento psicopedagógico são múltiplos e devem ser utilizados conforme a demanda apresentada ou o objetivo traçado. Nesse sentido, o presente artigo procura discutir desafios e possibilidades que Psicopedagogos(as) podem encontrar em abrigos para crianças e adolescentes. Para isso, reflete sobre algumas das práticas frequentemente utilizadas no atendimento de crianças e adolescentes, tais como: a entrevista inicial, a anamnese, o exame do caderno e do material escolar, a hora do jogo, as provas projetivas e a devolução, relacionando tal reflexão com a realidade vivenciada nos abrigos. Apesar de existirem certas limitações na realização de tais práticas nas situações de abrigagem, em especial no que se refere às poucas informações de vida e a não proximidade com a família do paciente, conclui-se que o(a) profissional de psicopedagogia pode contribuir significativamente para o auxílio das dificuldades de aprendizagem da criança e adolescente institucionalizado, desde que esteja aberto e disposto a repensar e adequar sua prática a partir do contexto sócio cultural em que está inserido.

 

 


Palavras-chave


Psicopedagogia; Acolhimento institucional; Abrigos para crianças e adolescentes.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v10e02016216-234

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED