DA NECESSIDADE DE UMA DEMOCRACIA COGNITIVA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Joelson de Sousa Morais, Franc-Lane Sousa Carvalho do Nascimento

Resumo


Este artigo apresenta uma revisão de literatura, trazendo algumas implicações acerca da formação de professores, focalizando os saberes que devem/podem ser priorizados no contexto formativo, que se consolidará em maior proporção na prática cotidiana profissional. Questiona o problema: como os saberes da formação inicial podem contribuir para o desenvolvimento de uma prática pedagógica consciente, crítica, reflexiva e emancipatória na perspectiva da profissionalização docente? O objetivo é refletir acerca da formação inicial de professores quanto aos processos de compreensão/apropriação dos saberes necessários ao ensino. Considera que, na universidade, é preciso um repensar de suas práticas, partindo da atuação dos atores que a compõem, em articulação com outros contextos socioculturais necessários ao desenvolvimento de uma cultura humana e complexa, evitando qualquer forma de segregação e compartimentalização do saber.


Palavras-chave


Formação de Professores. Política Educacional. Universidade. Justiça Cognitiva. Profissionalização Docente.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v10e182016464-476

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED