ENSINO MÉDIO E FORMAÇÃO HUMANA: QUANDO A INOVAÇÃO SE APRESENTA COMO RETROCESSO

Lorene Figueiredo

Resumo


O artigo discute as reformas curriculares em Minas Gerais, alinhado ao programa nacional Ensino Médio Inovador dentro do Pacto Nacional pelo fortalecimento do Ensino Médio, desde 2012. Apresentam-se como a maior alteração no currículo já proposta pelo governo mineiro. Justificam-se pela necessidade de modernizar o ensino e adequá-lo à participação na sociedade do conhecimento. No entanto, identificamos o rebaixamento geral da formação básica e clássica dos alunos das escolas públicas e um processo de diferenciação que se acentua entre os alunos de turnos diferentes. Além disso, o impacto sobre o trabalho docente apresenta-se como a formação no trabalho de um professor de novo tipo, flexível; o trabalho realizar-se-á com o aprofundamento da alienação. As motivações, impactos, alterações e possíveis resultados são igualmente analisados.

 


Palavras-chave


Reformas Curriculares; Trabalho Docente; Estado de Minas Gerais.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v10e17201654-84

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED