A educação natural enquanto fundamento filosófico para educação de Lucílio e Emílio

Almir Paulo dos Santos

Resumo


O trabalho tem a pretensão de aproximar o segundo livro de Emílio em Rousseau com as Cartas a Lucílio de Sêneca, tentando conectar o sentido ético da “condição humana” a uma “ordem natural”. O núcleo central da educação natural repousa no fortalecimento do corpo e no refinamento dos sentidos e, para justificá-lo, Rousseau recorre à tradição antiga, incorporando em seu projeto de educação natural aspectos ético-cosmológicos bem definidos daquela tradição. Sêneca justifica tal inserção em um determinado mundo, onde o ser humano participa pela virtude e moralidade, ordenado pela condição natural. A natureza torna-se a questão central, para Rousseau educar Emílio seu aluno fictício e Sêneca a Lucílio. O autodomínio é condição fundamental para a inserção na ordem das coisas, como enfrentar os vícios que corrompem a “alma” humana.

 

 


Palavras-chave


Educação Natural, Rousseau, Sêneca, Infância e Ética

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v4e7201138-56

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED