REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ARGENTINA, BRASIL E URUGUAI

Andrea Cristiane Maraschin Bruscato, Nalu Farenzena

Resumo


Este artigo tem como tema de interesse a formação dos profissionais de Educação Infantil no Brasil, Argentina e Uruguai. Por meio do campo metodológico da análise comparada, buscou identificar semelhanças e diferenças no marco regulatório das políticas públicas educacionais, verificando as concepções de Educação Infantil e a formação mínima exigida nas leis de educação de cada país. O exercício de comparação tornou-se fundamental para entender nuances nas políticas educacionais, permitindo triangular informações. Considerando os elementos pesquisados, constatou-se que a concepção de Educação Infantil é similar nos três países, assim como a obrigatoriedade de matrícula a partir dos 4 anos. Em contraponto, a formação de professores se diferencia. Por fim, conclui-se que o Estado é o guardião dos interesses públicos e o formulador de políticas frente às demandas da sociedade, buscando equacionar problemas e legitimar decisões em vistas à formação de professores.


Palavras-chave


Educação Infantil; Formação de Professores; Estudo Comparativo: Políticas Públicas Educacionais

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v12e21201878-94

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED