GRANDES CLÁSSICOS EM VERSÕES MINI: O CASO DE O LIVRO DA SELVA, DE RUDYARD KIPLING

Sara Raquel Duarte Reis da Silva

Resumo


Uma das tendências contemporâneas da literatura para a infância consiste no boom de edições nascidas da transformação de narrativas clássicas universais, quer pertencentes ao acervo tradicional oral, quer de autor, muitas até originalmente publicadas, não tendo como destinatário extratextual, o leitor infanto-juvenil. Predominam objectos adaptados, com uma nova roupagem e cuja configuração verbal, visual e gráfica, denunciando uma intencional interactividade, sensorialidade e ludicidade, faz prever um receptor coincidente com a criança que ainda não lê ou que dá os primeiros passos na leitura. A História da recepção da obra O Livro da Selva (1894), de Rudyard Kipling (Bombaim, Índia 1865-Londres, Reino Unido, 1936) e, muito particularmente, os cinco volumes que compõem o corpus textual deste estudo, adaptações para pré-leitores do clássico em pauta, atestam a linha criativa enunciada, revestindo-se de particular relevância na primeira infância.

Palavras-chave


Literatura para a infância; Clássicos; Adaptações para pré-leitores; Livro da Selva

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v12e0201890-105

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED