A FORMAÇÃO DOCENTE EM GÊNERO E A CRÍTICA AO PATRIARCADO: SUBORDINAÇÕES E RESISTÊNCIAS DE MULHERES PROFESSORAS

Ana Paula Costa, Cláudia Pereira Vianna

Resumo


Este artigo reflete sobre as possíveis influências do curso Gênero e Diversidade na Escola (GDE), na compreensão de professoras de Ensino Fundamental sobre as diferentes formas de ser mulher e de ser professora, sob o ponto de vista das relações de gênero. O curso foi ofertado em 2009 pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), campus de Rio Claro. A partir dos relatos dessas mulheres, obtidos por meio de entrevistas semiestruturadas, foi possível notar um movimento de reprodução dos processos socializadores tradicionais e, ao mesmo tempo, de resistência e denúncia da influência da sociedade patriarcal na produção de diferentes formas de ser mulher e de ser professora. A contradição presente nesses relatos demonstra o caráter inovador de cursos voltados para a formação de professoras em gênero, bem como sobre aspectos que ainda precisam ser pensados e revisados.


Palavras-chave


Sexualidade; Relações de Gênero; Formação de Professoras; Gênero e Diversidade na Escola.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v12e222018410-428

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED