Literatura e pensamento: linguagens do limite

Beatriz Fabiana Olarieta

Resumo


O artigo reflete sobre o papel da literatura na prática da Filosofia com Crianças, mas poderíamos estendê-lo também a qualquer outra prática que problematize o encontro da literatura com a experiência de pensar ou com a filosofia. Tendo como ponto de partida o pensamento de Michel Foucault em torno da loucura e sua relação com a literatura, explora-se a proximidade do espaço literário - como experiência-limite que questiona e desestabiliza os sentidos estabelecidos - com a filosofia. Nesse caráter transgressor do limite da experiência ordinária encontra-se a absoluta pertinência de um texto literário numa prática que pretende transformar-se numa experiência de pensamento. O argumento é auxiliado pelos conceitos de “fronteira indômita”, de Graciela Montes, e de “ambiguidade” e “desobrar”, de Maurice Blanchot.

Palavras-chave


Literatura; Filosofia; Experiência-limite; Experiência de pensamento

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v4e02011155-172

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED