Tomadas de posição, formação e trabalho: acolhida e emancipação na gestão do CPCA

Leandro R. Pinheiro

Resumo


Este trabalho foi elaborado a partir de pesquisa realizada junto ao Centro de Promoção da Criança e do Adolescente (CPCA), organização com sede em região bastante empobrecida de Porto Alegre/RS, e que vem desenvolvendo programas sócio-educativos referenciados, sobretudo, pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).  Visando analisar ‘como se posicionam os coordenadores da educação-assistência na busca da emancipação dos educandos?’, problematizo as narrativas construídas pelos trabalhadores da gestão da entidade pesquisada, abordando os depoimentos elaborados por estes acerca de suas relações com as crianças e adolescentes que acessam os serviços oferecidos à comunidade próxima. Tomo as contribuições de Morin (2001) sobre a noção de auto-eco-organização como referência epistemológica, articulando, ainda, a contribuições teóricas de Josso e Bourdieu. Neste sentido, procuro relacionar tomadas de posição observadas em campo, relativas às noções de ‘acolhida’ e ‘emancipação’, às características da formação construída no trabalho no locus de educação-assistência.

Palavras-chave


Tomadas de posição; Formação; Trabalho; Acolhida; Emancipação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v2e3200944-62

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED