Adolescentes, criminalidade e o poder simbólico estatal (re) produtor da violência e do medo

Tatiana Lourenço Emmerich de Souza

Resumo


Trata-se de um artigo feito através de um estudo bibliográfico, que tem como objetivo abordar a (re) produção da violência gerada por meio do poder simbólico Estatal e sua relação com o aumento da criminalidade entre jovens, principalmente os adolescentes em conflito com a Lei. A desigualdade que permanece entre todos os níveis sociais, onde apenas uma minoria goza de “privilégios” fundamentais e a maioria vive abaixo do mínimo existencial, revela como estes fatores influenciam o crescimento da criminalidade, já que o próprio Estado faz a manutenção da divisão de classes não só através do capital, mas também pelo poder simbólico, abordado por Bourdieu, poder que se mostra invisível e integrado a sociedade, com o fim de gerar um determinado consenso, que se expressa pela dominação e por relações de poder. Nesta conjuntura, crianças e adolescentes a todo tempo ingressam nos sistemas sócio educativos, mas acabam como inimigos sociais perpetuadores do medo, tanto nas esferas macro (o Estado – Poder Judiciário, Policia, etc.) e micro (sociedade em geral) de poder.


Palavras-chave


Menores; Adolescentes; Atos Infracionais; Violência; Poder Simbólico; Estado. Medo

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/ufd.v8e152017107-118

Direitos autorais 2018 Unisul de Fato e de Direito: revista jurídica da Universidade do Sul de Santa Catarina

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Unisul fato e dir. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-601X