A possibilidade de alteração do prenome do transexual à luz do princípio da dignidade da pessoa humana

Marina Matos Schelemberg

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo verifcar a possibilidade de os transexuais alterarem o prenome no registro civil de nascimento. Utiliza-se, para isso, o método dedutivo, de procedimento histórico e monográfco, com técnicas de pesquisa bibliográfca e documental. Para uma melhor contextualização do tema, inicia-se trazendo à baila a evolução histórica, o conceito, a natureza jurídica e os elementos formadores do nome. Apresentam-se as principais características e as funções/princípios do nome, de modo que se dedica atenção especial à sua função de adequar-se ao sexo do seu titular, a fm de que sejam resguardados os princípios da razoabilidade, isonomia, felicidade e, em especial, dignidade da pessoa humana. Apontam-se as hipóteses legais de mudança de nome e, consequentemente, a relativização do princípio da imutabilidade. Adentra-se no conceito de transexuais, na possibilidade da realização da cirurgia de redesignação sexual e na ausência de previsão legislativa brasileira que discipline a ideia de os transexuais alterarem o prenome. Por fm, cotejam-se as decisões jurisprudenciais acerca do assunto. Diante da discussão, constata-se como resultado dessa pesquisa monográfca que o princípio da dignidade da pessoa humana é o fundamento que tem possibilitado a alteração do prenome do transexual, mesmo nas situações em que não tenha realizado a cirurgia.

Palavras-chave


Alteração do prenome; Transexuais; Princípio da Dignidade da Pessoa Humana.

Texto completo:

PDF/A


Direitos autorais 2018 Unisul de Fato e de Direito: revista jurídica da Universidade do Sul de Santa Catarina

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Unisul fato e dir. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-601X