COMPARAÇÃO DA VARIAÇÃO DO ÍNDICE DE PERÓXIDO E MASSA ESPECÍFICA DAS MISTURAS DE ÉSTERES A PARTIR DO ÓLEO DE PEQUI APÓS DIFERENTES TEMPOS DE FRITURA

Carlos de Jesus de Oliveira, Paulo André Cremonez, Michael Feroldi, Thompson Ricardo Weiser Meier, Joel Gustavo Teleken

Resumo


Atualmente os recentes aumentos no consumo e no preço do petróleo e seus derivados, bem como a elevação dos gases de efeito estufa vem sendo uma das maiores preocupações ambientais do século XXI. Nesse contexto, eleva-se as buscas por novas fontes de energia alternativa em todo o mundo. Entre tais opções, o biodiesel aparece como uma interessante alternativa ao diesel petroquímico, devido as suas características como: biodegradabilidade, menor toxidade (menor teor de enxofre, aromáticos) e sustentabilidade conforme a maior parte das matérias-primas utilizadas na síntese de biodiesel serem os triglicerídeos presentes em plantas oleaginosas, óleos e gorduras animais. Em contrapartida, o alto custo da matéria-prima atualmente utilizada, bem como a maior susceptibilidade do biodiesel a partir dessas fontes a processos oxidegradativos quando comparado ao diesel petroquímico. Portanto, torna-se necessário explorar novas matérias-primas alternativas visando reduzir o custo final da produção bem como aumentar a qualidade desse biocombustível. O presente trabalho teve como objetivo estudar a variação da massa específica 20°C e o índice de peróxido das misturas ésteres a partir do óleo de pequi (Caryocar brasiliense cramb.) após diferentes tempos de estresse térmico. Dessa forma, comprovou-se que o valor da massa específica a 20°C e o índice de peróxido das misturas de ésteres sintetizadas aumentou com a maior tempo exposição das matérias-primas ao estresse oxidativo. No entanto tais resultados ficaram dentro do padrão estabelecido pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP, e dentro do limite proposto por alguns países da Europa e nos Estados Unidos respectivamente.

Palavras-chave


Preocupações ambientais; Alternativa; Biodiesel; Óleo de pequi

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v4e02015482-497

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.