A EDUCAÇÃO VOLTADA À REALIDADE CULTURAL CAMPONESA: ESTUDANTES RURAIS E CONSTRUÇÃO DA SUSTENTABILIDADE AGRÍCOLA EM RIBEIRÃO DO EIXO, MUNICÍPIO DE ITABIRITO – MG

Vagner Luciano de Andrade, Ludimila de Miranda Rodrigues Silva

Resumo


Em diferentes localidades brasileiras, a educação do campo tem-se estruturado em escolas rurais que ofertam as séries iniciais do ensino fundamental, e em algumas exceções, os anos finais e o ensino médio. Mas na maioria das vezes, os alunos estudam nos centros urbanos, e cada vez mais se tem fechado escolas na zona rural. Um problema que precisa ser urgentemente revisto. O presente trabalho destina-se a analisar a educação voltada à realidade cultural camponesa, a partir de estudantes rurais em Ribeirão do Eixo, município de Itabirito, no estado de Minas Gerais, como possível meio de construção da sustentabilidade agrícola. A “Escola Municipal Rural de Ribeirão do Eixo”, componente do quadro de estabelecimentos de ensino da Secretaria Municipal de Educação de Itabirito – MG encontra-se legalmente sob responsabilidade da 15ª Superintendência Regional de Ensino de Ouro Preto e localiza-se à Rodovia Federal BR 040, km589, entre os povoados de Ribeirão e do Eixo, zona rural do distrito de São Gonçalo do Bação. A diretora da Escola responde pelas outras 06 Escolas Municipais Rurais de Itabirito. A equipe escolar é formada por 08 profissionais, que ficam diretamente na Escola sendo 06 professoras sendo 03 com graduação e 03 com pós-graduação, 01 auxiliar de serviços gerais e 01 servente escolar, ambas responsáveis pela limpeza e alimentação; e uma secretária e 01 supervisora pedagógica que fazem acompanhamento à distância que compõem junto com a diretora, a Equipe responsável por 06 Escolas Municipais Rurais do Município. A Escola funciona no turno da manhã e oferece apenas a Educação Infantil e Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) com alunos distribuídos em 06 turmas. A instituição escolar atende aproximadamente 40 alunos matriculados e freqüentes oriundos de Ribeirão do Eixo e adjacências, em apenas 01 turno sendo 11 discentes na educação infantil (1º e 2º período-turma multisseriada), 06 alunos no 1o ano, 07 educandos no 2o ano, 06 discentes no 3o ano, 06 alunos no 4º ano e 04 educandos no 5º ano. Neste contexto, a localidade elencada para estudo denota nitidamente a complexidade da relação campo/cidade, pois se trata de área rural em processo de urbanização e industrialização, sendo incorporada ao eixo sul metropolitano. Assim a partir da educação do campo enquanto instrumento de valorização do espaço rural, apresenta-se a realidade da escola rural da localidade e entendendo-a como meio de transformação social propondo sua resignificação no âmbito da comunidade local. A proposta principal baseia-se em ofertar novas modalidades de ensino e qualificação, através da disponibilização de cursos técnicos nas áreas de agropecuária, ecologia e turismo efetivando novas perspectivas de sustentabilidade para um território em transição com paisagens ameaçadas e potenciais ignorados e/ou desconhecidos


Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v9e12020483-512

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.