ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CAPIVARAS (HYDROCHOERUS HYDROCHAERIS) E SUA INTERAÇÃO COM USUÁRIOS DO SACO DA FAZENDA – ITAJAÍ, SC

Gabriela Stahelin, Joaquim Olinto Branco

Resumo


O convívio entre homens e capivaras em ambientes urbanizados pode acarretar em problemas para ambos, necessitando a criação de um plano de manejo. Desta forma, o estudo visa analisar a necessidade da elaboração de um plano de manejo em meio urbano na cidade de Itajaí – SC. Durante nov/14 a out/2015 foram analisadas flutuação e densidade populacional das capivaras, e aplicado questionários estruturados para avaliar a percepção das pessoas referente à presença das capivaras. Para saber a ocorrência de Febre Maculosa no município foi aplicada uma entrevista aos órgãos municipais. Ocorreram oscilações na média do número de capivaras durante um ano, com máxima de 20,5 ind/mês e mínima de 3,5 ind/mês, e o valor da densidade foi de 1,24 ind/ha. Dos entrevistados 57% acredita que a comunidade traz mais danos à capivara do que o contrário (51%). As pessoas reagiram positivamente quanto à presença de capivaras, sendo 82% contra a retirada dos animais do local.  Não foram constatados casos de febre maculosa no município. Os resultados são indicativos que atualmente é necessário apenas um monitoramento da população de capivaras do Saco da Fazenda. Contudo, os dados poderão servir como ferramenta para a elaboração de um futuro plano de manejo no local, caso seja preciso. 


Palavras-chave


Ambiente urbanizado; Capivara; Febre maculosa; Plano de manejo

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v8e1201944-59

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.