TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTES GERADOS NA PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE AÇO CARBONO EM INDÚSTRIA DE PEÇAS AGRÍCOLAS E AUTOMOTIVAS

Josiani Luft, Ramiro Pereira Bisognin, Bárbara Estevão Clasen, Danni Maisa da Silva, Fernanda Hart Weber, Hardi Germano Weirich

Resumo


O acelerado crescimento das indústrias, nas últimas décadas, acarretou o aumento na geração e diversificação de efluentes. Com isso, surgiu a necessidade de se buscar alternativas para o tratamento dos efluentes líquidos, influenciado por exigências legais e impactos relacionados ao seu lançamento no ambiente. Nesse sentido, o presente estudo objetivou avaliar o comportamento e a eficiência de diferentes coagulantes no tratamento físico-químico de efluentes gerados em uma indústria de manufatura de peças agrícolas e automotivas do Rio Grande do Sul. Foram avaliados três coagulantes inorgânicos: cloreto férrico, sulfato de alumínio e policloreto de alumínio; e um coagulante orgânico a base de tanino, em diferentes concentrações e valores de pH. Os testes foram realizados em Jar Test, utilizando um tempo de decantação de duas horas, tendo em vista as características do efluente que retardam a aglutinação e decantação dos coloides. O agente coagulante cloreto férrico apresentou os melhores resultados para a remoção de cor e turbidez, respectivamente, de 89,8% e 94,4% para a concentração de 1,6 mL.L-1 e pH de 4,5. Além disso, após caracterização do efluente bruto e da escolha do cloreto férrico como melhor coagulante, avaliou-se também a sua eficiência na redução de outros parâmetros estabelecidos na Resolução CONSEMA nº. 355/2017, como DBO5, DQO, fósforo, níquel e ferro total, tendo obtido resultados com remoções de 97,5, 97,5, 98,5, 92,3 e 99,9%, respectivamente. Deste modo, o tratamento físico-químico, adaptado às características do efluente gerado na indústria, mostrou-se eficiente na minimização de impactos para o lançamento do efluente em corpos hídricos superficiais.


Palavras-chave


Indústria metal mecânica. Efluentes líquidos. Coagulação/floculação. Parâmetros físico-químicos.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v7e22018540-559

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.