IMPACTOS GERADOS POR DOIS COMPLEXOS CONVECTIVOS DE MESOESCALA DE DIFERENTES EXTENSÕES NO SUL DO BRASIL

Karina Bruno Lima, Francisco Eliseu Aquino, Flávia Dias de Souza Moraes

Resumo


Complexos Convectivos de Mesoescala (CCM), estão muitas vezes, associados a eventos meteorológicos severos e, consequentemente, desastres. Para analisar se existe relação entre a extensão destes sistemas e seu potencial destrutivo, este estudo compara eventos de dimensões extremas, sendo eles o segundo maior e o menor CCM que atingiram a Região Sul do Brasil entre 1998 e 2007. Foram utilizadas informações do banco de dados de CCM de Durkee e Mote (2009), imagens do satélite GOES-12, cartas sinóticas DHN, dados de precipitação de estações meteorológicas e registros em jornais. O maior CCM analisado (21 a 23/04/2004) foi 10,8 vezes mais extensoem área, durou 3,48 vezesmais (36,5 h) e causou volumes maiores de precipitação nos municípios atingidos, se comparado ao menor CCM (07 a 08/10/2005) que durou 10,5 h. Apesar disso, as consequências foram impactantes para a população em ambos os casos, visto que os desastres dependem também das vulnerabilidades sociais e dos locaisno momento em que são atingidos.


Palavras-chave


Sistemas Convectivos. Precipitação. Desastres. Região Sul.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v7e02018186-205

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.