IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO HUMAN AND NATURE DYNAMICAL (HANDY) POR MEIO DA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MODELLUS: UMA ANÁLISE QUALITATIVA

Renata Cristina Cortezi Lúcio Ribeiro

Resumo


O Modelo HANDY (Human and Nature Dynamics Model), desenvolvido em 2014 por um grupo de pesquisadores da Universidade de Minnesota e Maryland e publicado na Revista Ecological Economics, trouxe uma abordagem nova para o longevo Modelo Predador- Presa. Um lapso de pouco mais de dois séculos separa o primeiro modelo, proposto por Thomas Robert Malthus do Modelo HANDY e, embora neste intervalo de tempo tenham havido outros modelos semelhantes, este modelou a evolução das populações de forma mais sistemática: dividiu a população entre Ricos (“Elites”) e Pobres (“Comuns”) e acrescentou outras duas grandezas, a Riqueza e a Natureza. Observando o grande crescimento demográfico, com o consequente aumento da Riqueza para uns, em detrimento de outros, nota-se que a sociedade padece de políticas públicas que amenizem as diferenças sociais, as quais, isoladamente analisadas, já causam severos danos à sociedade. Somada a esta diferença social, está a Natureza, predada pelo consumo exacerbado e que não tem a atenção devida nos quesitos regeneração e esgotamento. Tal problemática foi implementada neste trabalho, pelo uso do software MODELLUS, que explicitou a análise existente por detrás das fórmulas, dando uma visão geral e clara, de fácil interpretação, sendo possível, inclusive, encontrar soluções quando o desequilíbrio tiver início, antes que se chegue ao colapso. As diferentes implementações traduziram uma análise qualitativa do comportamento do Modelo HANDY, gerando cenários de riscos, que podem ser determinantes à instauração do colapso ou cenários de confiança, utilizando como variáveis a população das “Elites”, população dos “Comuns” (trabalhadores), Natureza e Riqueza.


Palavras-chave


Desenvolvimento Sustentável, Modellus, Modelos Matemáticos

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v8e22019296-317

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.