O DESAFIO DA GESTÃO AMBIENTAL DE FLORESTAS URBANAS: ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DA RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO JANGA-PE ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO

Elisabeth Regina Alves Cavalcanti Silva, José Gustavo da Silva Melo, Daniella Roberta Silva de Assis, Sidney Henrique Campelo de Santana, Josicleda Domiciano Galvíncio

Resumo


A área de estudo está localizada na área de influência da Reserva de Floresta Urbana Mata do Janga, Paulista-PE, que é o último remanescente de Mata de Restinga em Pernambuco. Ao longo das últimas décadas o processo de urbanização da cidade do Paulista tem se intensificado ao passo que a Reserva cada vez mais tem sido degradada pela ação antrópica. Dessa forma, este estudo tem como objetivo realizar uma análise espaço-temporal, através de produtos obtidos a partir de imagens de satélite dos anos de 2005 e 2011, para identificação do nível de degradação ambiental na área. Foram utilizadas 3 variáveis biofísicas: o índice de vegetação por diferença normalizada (NDVI), para avaliação do conteúdo de clorofila na vegetação, o índice de vegetação ajustado ao solo (SAVI) e o Índice de área foliar (IAF) para o entendimento da dinâmica da área. O estudo demonstrou que apesar da Reserva ter mantido sua abrangência no período, como revelou o índice que mede o conteúdo de clorofila nas plantas, os índices relacionados à estrutura da vegetação como o (SAVI) e o (IAF) demonstraram um menor adensamento vegetacional na área, tendo apresentado considerável diminuição da biomassa durante o período.


Palavras-chave


Índices de vegetação. Adensamento urbano. Áreas de preservação.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v7e32018454-469

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.