PANORAMA SITUACIONAL DO SERVIÇO DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E SUA RELAÇÃO COM DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM - PARÁ

Erika de Sousa, Gabriela Oliveira Ramos, Jonathas Soares dos Santos Júnior, Norma Ely Santos Beltrão

Resumo


 

O saneamento ambiental compreende entre suas vertentes a coleta, tratamento, disposição final de efluentes domésticos, o controle de vetores e focos de doenças e a organização da ocupação e de uso do solo. A ausência ou a precariedade do saneamento promovem problemas ambientais. De acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS, 2015), o saneamento básico da Região Metropolitana de Belém (RMB) é, praticamente, inexistente. Desse modo, o objetivo do artigo foi evidenciar os serviços de saneamento básico no setor de esgotamento sanitário na RMB e as doenças de veiculação hídrica, entre os anos de 2011 a 2015, por meio de indicadores. Constatou-se que a operação e manutenção em 15 estações de tratamento e 36 estações elevatórias de esgoto na RMB sofrem contínua degradação do sistema físico e eletromecânico. Assim sendo, o lançamento do esgoto sem tratamento e a precariedade do tratamento da água para consumo humano desencadeia um conjunto de causas de doenças de veiculação hídrica, onde foram notificados 87% (n=4418) casos de dengue, 2% (n=120) de hepatites virais, 0,6% (n=30) de esquistossomose, 3,5% (n=179) de febre tifoide e 6,5% (n=331) de leptospirose, das quais se constataram 14,81% (n=8) casos de óbitos relacionados à dengue e 85,2% (n=46) à leptospirose. Conclui-se, que há necessidade de estudos de monitoramento da qualidade da água dos corpos receptores das unidades coletoras e de tratamento de esgoto sanitário, cujos diagnósticos poderão servir de ferramentas para fomentar ações de conscientização e esclarecimentos à população quanto aos riscos à saúde.


Palavras-chave


Saneamento básico. Doenças de veiculação hídrica. Vulnerabilidade socioambiental.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v7e32018487-503

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.