DINÂMICA DE CARBONO DO SOLO EM UNIDADE DE CONSERVAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO SOB DIFERENTES FITOFISIONOMIAS

Tancio Gutier Ailan Costa, Bruna de Freitas Iwata, Cristian Epifânio de Toledo, Juliana Vogado Coelho, Laécio Miranda Cunha, Gleide Ellen dos Santos Clementino, Nayara Caroline Moreira Leopoldo

Resumo


O efeito estufa é um mecanismo natural de aquecimento da atmosfera responsável por manter a temperatura média do planeta em níveis adequados para a vida. Porém o grande problema em destaque é a intensificação do fenômeno causado pelo aumento da emissão dos gases de efeito estufa, sendo o CO2 o gás que mais contribui para o fenômeno. Com isso, objetivou-se avaliar a dinâmica do carbono no Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba (PNNRP), sob diferentes fitofisionomias do Cerrado. As avaliações foram realizadas em parcelas de um hectare para cada fitofisionomia do Cerrado correspondente ao Cerrado Sensu Stricto (SS) e Cerradão (CE) presentes no Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba, sendo as mesmas subdivididas em cinco subparcelas equivalentes a 0,2 ha. As amostras de solo foram coletadas nas profundidades de 0.00 – 0.05 m e 0.05 – 0.10 m, buscando avaliar os teores de matéria orgânica do solo (MOS), carbono orgânico total (COT), estoque de carbono no solo (Est C), taxa de sequestro de carbono e fluxo de CO2. Os teores de MOS e COT das fitofisionomias não apresentaram variação significativa, denotando um relevante aporte de material orgânico em seus solos o que contribuiu para tais resultados. A fitofisionomia SS apresentou uma maior estocagem de carbono solo. A análise do sequestro de C demostrou que as taxas de emissão variam significativamente em função do comportamento fisionômico, na qual a fitofisionomia SS apresentou maior sequestro de C. Contudo, apesar dos solos do PNNRP atuarem como fonte de emissão de C, os mesmos exercem papel principal na função de sumidouro de C.

 


Palavras-chave


Matéria orgânica do solo. Sequestro de carbono. Bioma Cerrado.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v7e42018306-323

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.