CONFLITOS AMBIENTAIS EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAIOL, IBIÚNA, SP

Hetiany Ferreira da Costa, Bruna Henrique Sacramento, Jocy Ana Paixão de Sousa, Roberto Wagner Lourenço

Resumo


Áreas de preservação permanente visam a proteção do ambiente natural e devem estar cobertas com vegetação, de preferência nativa. O estudo teve como objetivo identificar e quantificar as áreas de conflito ambiental que ocorrem na Bacia Hidrográfica do Rio Paiol, Ibiúna, São Paulo, por técnicas de geoprocessamento. Informações planialtimétricas foram vetorizadas de cartas topográficas. A declividade foi gerada de um Modelo Digital de Terreno. O uso da terra e cobertura vegetal de 2019 foi mapeado por interpretação visual de ortofoto do sensor Vexcel Ultracam de 2010 e consultas a imagens do Google Earth Pro. Foram mapeados área urbanizada, campo, corpo d’água, cultura temporária, mata, pastagem e reflorestamento. As áreas de preservação permanente foram delimitadas de acordo com o Código Florestal (2012) e quando seu uso da terra era distinto de mata foi definido como conflito ambiental. Os procedimentos foram realizados no ArcGIS 10.6. Cerca de 70% da área de estudo é ocupada por usos antrópicos da terra. Dos 130,15 ha de área de preservação permanente, 67,28 ha são conflitantes (51,70%), sobretudo por campo e cultura temporária (31,98% e 12,19% do total, consecutivamente), mostrando que a maioria das áreas de preservação permanentes não estão sendo utilizadas conforme o previsto pela legislação vigente. Planejar o uso da terra de acordo com a legislação vigente é necessário e efetivo para a conservação dos recursos naturais; e analisar se há conflito entre a legislação e o atual uso da terra é uma maneira de contribuir para o uso racional e sustentável dos recursos naturais.

 

 


 


Palavras-chave


Geotecnologias. Monitoramento Ambiental. Legislação Ambiental. Uso Sustentável.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v8e42019403-418

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.