Redução dos remanescentes de Adansonia Digitata (Imbondeiro, Embondeiro ou Baobá) no perímetro de Luanda

Cleovamir José Bonifácio, Jairo Afonso Henkes

Resumo


A Adansônia digitata é popularmente conhecida como imbondeiro, embondeiro ou baobá, este último mais comum no Brasil.  O Imbondeiro possui um tronco muito espesso na base, chegando a atingir nove metros de diâmetro. O seu tronco é peculiar: vai se estreitando em forma de cone e evidenciando grandes protuberâncias. Esse colosso vegetal pode atingir trinta metros de altura e possui a capacidade de armazenar, em seu caule gigante, até 120.000 litros de água. Por tal razão é denominada "árvore garrafa" (VAINSENCHER,2010). Nos últimos cinco anos tem-se observado um significativo e acelerado processo de derrubada de árvores de imbondeiros no entorno de Luanda, principalmente em função do crescimento urbano e parques industriais. Através de entrevistas e pesquisas, buscamos identificar a importância desta árvore na cultura e costumes deste povo, as causas que vem levando sua eliminação e a conivência das instituições, assistindo a substituição dos bosques de imbondeiros pelo cinza e prateado da alvenaria e casas de chapas, e pelo vermelho dos pátios terraplanados. Evidencia-se um processo de degradação ambiental com a supressão de áreas verdes, além do vínculo milenar do Imbondeiro com os povos tradicionais de Angola, chamando a atenção das instituições locais, além de propor alternativas para a preservação e programas de sustentabilidade desta árvore e suas raízes que fundamentam boa parte da base cultural deste povo.

Palavras-chave


Adansonia digitata; Imbondeiro; Província de Luanda; Supressão de vegetação; Culturas tradicionais

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v1e12012156-182

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.