CUSTO DA PEGADA HÍDRICA DA PRODUÇÃO DE TOMATE: UM ESTUDO EM TANGARÁ DA SERRA – MT

Bethânia Batista Carneiro da Silva, Cleci Grzebieluckas, André Socoloski, Josiane Silva Costa dos Santos, Magno Alves Ribeiro

Resumo


Quando se trata da produção agrícola, os serviços ambientais, principalmente a água, são indispensáveis, portanto, contabilizar este serviço se faz necessário para melhor gerenciar este recurso. A Pegada hídrica (PH) indica cumulativamente o volume de água doce utilizados na produção dos bens e serviços consumidos. A pesquisa tem como objetivo estimar o custo da pegada hídrica da produção de tomate no município de Tangará da Serra – MT nos anos de 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018. É de natureza descritiva, bibliográfica, com abordagem quantitativa.  Os dados da produção agrícola foram obtidos no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O preço da PH foi calculado com base na Agência Nacional de Águas (R$ 0,01795/m3). Os resultados demostraram que Tangará da Serra produziu respectivamente 4.500, 4.500, 4.000, 900 e 660 toneladas de tomate no período. A Pegada Hídrica do tomate foi de 133,667 m3/t, portanto, a produção do período utilizou 1.946.187 mde água ou 1.946.186.670 litros, totalizando R$ 34.934,07 que deveriam ser acrescidos no custo do produto se fosse levado em consideração o custo da água. Portanto, um custo médio por tonelada de R$ 2,40, valor este não incorporado nos custos de produção.


Palavras-chave


Lycopersicon esculentum Mill. Pegada hídrica. Produção de tomate. Água.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v9e02020395-407

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.