ROCHAGEM COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA A FERTILIZAÇÃO DE SOLOS

Alessandra Mayumi Tokura Alovisi, Meriane Melissa Taques, Alves Alexandre Alovisi, Luciene Kazue Tokura, João Augusto Machado da Silva, Cleidimar João Cassol

Resumo


O estudo de fontes alternativas de nutrientes às plantas é de extrema importância, com vistas à redução dos impactos sociais, econômicos e ambientais. Diante da importância de encontrar fontes alternativas de fertilizantes para a agricultura, o presente estudo teve como objetivo avaliar o efeito da adição de pó de basalto associado ou não a bioativo sobre os atributos químicos do solo, após períodos de incubação. O experimento foi desenvolvido em delineamento experimental inteiramente casualizado, distribuídos em esquema fatorial (5x2x3). Foram avaliados cinco doses de pó de basalto (0, 2, 4, 8 e 16 Mg ha-1), associados ou não a bioativos (0 e 0,1 g recipiente-1) e três tempos de incubação do solo com o pó de basalto (30, 90 e 120 dias), com quatro repetições. O experimento foi realizado em casa-de-vegetação, na Faculdade de Ciências Agrárias, da Universidade Federal da Grande Dourados. Após os períodos de incubação, determinaram-se os valores de acidez ativa, acidez potencial, K, Ca, Mg e P dos solos incubados. Os resultados foram submetidos à análise de variância. O uso de pó de basalto no solo resultou em aumento significativo nos teores de Ca e Mg e nos valores de SB e V% aos 90 dias da incubação do solo. Aos 90 dias da reação do pó de basalto no solo, a dose de 12 Mg ha-1 de pó de basalto proporcionou a máxima redução da acidez ativa. O pó de basalto pode ser considerado como uma fonte alternativa de fertilizante e corretivo do solo de baixo custo, o que resulta, ainda, em prática agrícola de menor impacto ambiental. Entretanto, a baixa solubilidade do pó de basalto indica que tal material não pode ser utilizado como a principal fonte de nutrientes às plantas.

 


Palavras-chave


Remineralização. Basalto. Incubação

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v9e02020918-932

R. gest. sust. ambient., Florianópolis.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2238-8753 Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.