Rastros da história: uma análise de O livro da Guerra Grande

Cíntia Paula Andrade de Carvalho, Nancy Rita Ferreira Vieira

Resumo


Afastando-se da ideia de história preocupada com uma origem fundadora e com a verdade, Michel Foucault propõe uma concepção desse campo de conhecimento que se volta aos desvios e às dispersões. Na mesma medida, o romance histórico contemporâneo é um subgênero literário que surge com a finalidade de tecer releituras acerca de acontecimentos eleitos pela historiografia oficial sob novos pontos de vista. Considerando que O Livro da Guerra Grande (2002), de autoria do paraguaio Augusto Roa Bastos, do uruguaio Omar Prego Gadea, do brasileiro Eric Nepomuceno e do argentino Alejandro Maciel, intenta revisitar a temática da Guerra do Paraguai sob um novo olhar, o artigo objetiva identificar pontos de contato entre a noção de história problematizada na obra coletiva em questão e o pensamento foucaultiano.


Palavras-chave


O Livro da Guerra Grande; História; Michel Foucault.  

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v1e2201449-66

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.