A essência dos principados: Maquiavel e a sátira contra a tirania

Mateus Salvadori

Resumo


Maquiavel é o primeiro pensador a relatar amplamente o que é a atividade política, afastando-se de antigas tradições que debatiam o que a política deveria ser. Em suas reflexões, o filósofo florentino utiliza um exame essencialmente empírico. O fato é que o autor de O Príncipe tornou-se, através dos tempos, uma figura legendária, porém, acusado de demoníaco, inescrupuloso, astuto e dissimulador. É o que Spinoza e Rousseau tratam de negar. Para ambos, Maquiavel, na verdade, procurou alertar o povo sobre as crueldades dos tiranos de seu tempo. Os seus escritos políticos constituem uma espécie de advertência para aqueles que acreditavam no direito da força sobre a força do direito. Assim como se diverte por meio de suas sátiras na peça teatral A mandrágora, Maquiavel utiliza toda a sua criatividade para pôr em xeque a pretensa legitimidade dos principados leigos e eclesiásticos. E essa é a tese que o presente artigo busca defender, a saber, que Maquiavel, com a obra O Príncipe, não foi um defensor do absolutismo monárquico, mas sim um sátiro contra a tirania.


Palavras-chave


Maquiavel; Realismo político; sátira; Tirania; Moral.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v1e2201499-117

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.