Arqueologia e edificação – a representação da identidade da elite paulistana a partir da construção do edifício Altino Arantes – o “Banespão”, na década de quarenta

Gladys Mary Santos Sales

Resumo


O presente artigo tem por objetivo apresentar a análise da representação da identidade da elite paulistana a partir da construção do Edifício Altino Arantes – o „Banespão‟, na década de quarenta, nas relações existentes entre a materialidade deste Edifício-Sede, com a identidade e a memória paulistana. Percebeu-se durante a pesquisa documental a necessidade da reflexão sobre a relevância social dos resultados deste estudo na área da educação, que imbrica tanto na possibilidade da aplicação deles em sala de aula, quanto na reflexão das ações da prática em Arqueologia Histórica. Faz-se necessário a reflexão da cultura material e suas representações imateriais, por meio da análise de dois questionamentos – i) O espaço construído em São Paulo relaciona-se a ideologia de afirmação de superioridade étnica, econômica e política dos paulistanos em comparação aos demais brasileiros? ii) Quais aspectos da construção do Edifício Altino Arantes exaltam o poderio econômico da elite paulistana, e permeiam a identidade local?

Palavras-chave


Cultura material. Superioridade étnica. Identidade local.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v1e3201468-95

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.