A representação do poder e da identidade na obra Desonra, de J. M. Coetzee

Daniela Bombardelli, Taira Giacom Hatem

Resumo


Este artigo apresenta uma análise da questão da representação do poder e identidade no livro, Desonra de J. M. Coetzee. O livro conta a vida do professor de poesia David Lurie, o qual não se adapta a realidade tumultuada da África do Sul depois do Apartheid, onde David se assusta com a rígida regra de sua universidade, bem como a irregularidade pela disputa da terra dentro do seu país em que vive sua filha. O enfoque, da representação do poder e identidade são estudados por meio dos pressupostos de Estevão de Rezende Martins e Stuart Hall.


Palavras-chave


Sociedade; Identidade; África do Sul; Poder; Apartheid.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v2e1201493-101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.