A faiança fina e a construção da identidade fronteiriça na Uruguaiana do século XIX

Jeremyas Machado Silva

Resumo


Este artigo é resultado da análise do consumo da faiança fina europeia na fronteira oeste do Rio Grande do Sul, a partir do final do século XIX até a segunda década do século XX. Neste estudo, os produtos de cerâmica são percebidos como signos que carregam uma definição social sendo capazes de expressar identidades e valores. O consumo da faiança fina em Uruguaiana neste período inclui-se ao movimento portuário, ao comércio e ao contrabando que envolve o próprio imaginário social da fronteira do Brasil com a Argentina e Uruguai, além disso, a região encontrava-se em desenvolvimento político, social e econômico. Assim, buscou-se relacionar ao estudo da cultura material a análise de documentos, fotografias e anúncios nos jornais locais pertencentes ao período histórico pesquisado. Foi possível estabelecer uma profunda relação interdisciplinar, analisando as fontes arqueológicas e históricas e compreendendo através delas, os hábitos e as representações simbólicas da sociedade uruguaianense na transição do século XIX para o século XX.


Palavras-chave


Comércio; Faiança; Fronteira; Identidade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v3e120163-35

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Jeremyas Machado Silva

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.