A im(p)unidade parlamentar: ditadura e memória

Andréia da Silva Daltoé, Juliene da Silva Marques

Resumo


O presente artigo procura analisar as reverberações do voto do Deputado Bolsonaro ao justificar seu sim em favor da abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff, em 17 de abril de 2016. Das demais justificativas, que dedicaram o voto a Deus, à família e à propriedade, em sua maioria, a do Deputado vai chamar a atenção por ter sido realizada em nome do Capitão Brilhante Ustra, militar acusado de crimes praticados no interior dos aparelhos de Estado durante a ditadura no Brasil. Discutiremos, então, a partir da noção de acontecimento discursivo moral em Paveau (2015), o modo como um mesmo dizer pode ser trabalhado em direções de sentido tão diversas, procurando dar conta de um ajuste à sociedade em que se insere: para muitos, a homenagem se deu em meio a aplausos; para outros, constituiu-se um crime por apologia à tortura. Nesse duplo funcionamento dos sentidos, pretendemos observar as relações de força travadas na língua, que podem nos ajudar a compreender um pouco da história da ditadura em nosso País.

Palavras-chave


Discurso; Acontecimento; Virtude; Moral

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v4e3201761-77

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Andréia da Silva Daltoé, Juliene da Silva Marques

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.