Educação estética e imaginário numa jornada arquetípica

Franciele Silvestre Gallina, Graciela René Ormezzano

Resumo


A temática deste artigo trata dos processos educativos estéticos contemplados à luz do imaginário. O objetivo consiste em compreender o significado da oficina de educação estética, com base na teoria geral do imaginário. Para o desenvolvimento da oficina, construiu-se um método de trabalho sustentado pela antropologia essencial e pela educação estética. Foram realizados dez encontros com sujeitos de ambos os sexos, na faixa etária entre 21 e 60 anos, e que configuraram três grupos de trabalho distintos: um de educação formal, outro de educação permanente e um terceiro de educação não formal. Os instrumentos da pesquisa consistiram em um desenho arquetípico e uma narrativa. Trata-se de uma investigação qualitativa, hermenêutico-fenomenológica com base na mitocrítica proposta por Durand (1993), dos quais emergiram os mitos diretores de Crono, Kairós, Quirão e Atená, demonstrando que estes serviram como modelos exemplares no trajeto antropológico dos participantes.

Palavras-chave


Educação estética; Imaginário; Mito; Arquétipo; Sentido existencial

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v4e32017253-277

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2017 Franciele Silvestre Gallina Silvestre Gallina, Graciela René Ormezzano

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.