Um estudo sobre a identidade das mulheres na obra A Confissão da Leoa, de Mia Couto

Rosemary de Fátima de Assis Domingos

Resumo


Este artigo objetiva analisar a identidade de personagens femininas na obra A confissão da leoa, do autor moçambicano Mia Couto. O tema decorre de reflexões junto ao Grupo de Estudos Identidades, Migrações e Representações, vinculado à linha de pesquisa Linguagem e Cultura, do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem, da UNISUL. O presente estudo se insere no âmbito da Literatura Comparada, observando as obras de ficção e seu caráter intertextual e historiográfico, tendo como base Carvalhal (1986) e Nitrini (2000). Os procedimentos metodológicos recorreram aos pressupostos da microanálise e macroanálise, conforme Massaud Moisés (1981). O que nos instigou durante a leitura da obra foi como se dá a relação da mulher moçambicana com o meio em que vive. Em nossa análise percebemos que, subvertendo – ainda que silenciosamente - a ordem masculina social instituída, em um país pobre, assolado por guerras, a obra faz emergir mulheres livres. Nas páginas da ficção miacoutiana encontramos personagens as quais traduzem algo acerca das mulheres que não pode ser visto com olhos nus de sensibilidade e filosofia.

Palavras-chave


Mulher; Identidade; Mia Couto

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v4e3-I2017223-243

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Rosemary de Fátima de Assis Domingos

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.